Terça-feira, 25 de Abril de 2006

Caroline Buchacher -5ºD

Palavras Pintadas


     Havia uma história que se chamava “palavras pintadas” e que começava assim:
     Era uma vez um menino que estava na primeira classe que se chamava Pedro e estava a aprender as primeiras vogais do abecedário que eram: a, e, i, o, u, .Antes de se irem todos embora a professora disse:

     - Não se esqueçam de treinar as vogais.

     - Sim! Disseram todos.

     O Pedro saiu da sala e foi direito ao autocarro. Quando chegou a casa a mãe perguntou:

     - Trouxeste trabalhos de casa?

     - Trouxe! Disse o menino.

     O menino foi direito para o seu quarto, primeiro ele sobe as escadas quando chegamos ao corredor ele é bem escuro, o menino acende a luz e aparecem três portas um ao fundo do corredor que é a casa de banho, outra é o quarto dos pais e finalmente o quarto dele, o menino abre a porta enferrujada do quarto em frente do armário está a cama com um edredão do super homem, ao  pé da janela está a secretária, o menino tira da mala os livros e começa a fazer os T.P.Cs mas o menino fica com uma cara como se a letras estivessem a saltar do livro para fora. Primeiro dizia para ele escrever as palavras iguais como estavam no livro. O menino gostava muito das cores das frases umas eram roxas outras eram amarelas e também vermelhas. O menino dizia que aquilo eram palavras pintadas, mas ninguém acreditava nele, por isso o menino ficava triste. Um dia o menino conheceu uma rapariga que por acaso também gostava muito de escrever e também se interessava pela leitura e pelas palavras. Um dia quando o menino foi à Biblioteca requisitar um livro encontrou a menina que tinha encontrado da outra vez no intervalo, o menino olhou para ela a menina também olhou e sorriu, mas o menino não ligou.

     No dia seguinte no intervalo, o menino sentou — se num dos bancos do parque enquanto estava a comer a sua sandes e o seu sumo de maçã reparou que a menina da Biblioteca estava sentada num dos baloiços a chorar, então o menino largou a sua sandes e o sumo em cima duma das mesas e foi ter com a menina e perguntou — lhe:

     - O que é que se passa, porque é que estás a chorar?

     - Não me apetece falar. Disse a menina com um ar triste.

     - Então, se não me queres dizer o que tens então posso saber como te chamas?

     - Chamo — me Mariana.

     - Eu chamo — me Pedro.

     - Ouvi dizer que tu gostas de ler e aprender as palavras.

     - Sim gosto muito por acaso é o meu passatempo favorito.

     - O meu também.

 

     Então desde esse dia tornaram — se grandes amigos.  

No dia seguinte o menino encontrou a Mariana na Biblioteca como tinham combinado se encontrarem.

     - Olá, Pedro! Disse a Mariana.

     - Olá, Mariana! Disse o Pedro.

     - Então o que queres?

     - Era para saber se tu podias ajudar-me a terminar um trabalho. É que eu precisoo de o entregar amanha, pode ser? Perguntou o Pedro.

     - Está bem pode ser, e como se chama o trabalho?

     - Chama — se Palavras Pintadas.

     - É um nome muito giro. Disse a Mariana.

     - Ainda bem que gosta do nome. Disse o Pedro.

     - Olha antes de começarmos o trabalho posso fazer-te umas perguntas?

     - Está bem, mas depressa se não de pois acaba o intervalo e nós não acabamos o trabalho, respondeu a Mariana.

     - Quantos anos tens tu? Perguntou o Pedro.

     - Tenho 6 anos, e tu?

     - Tenho 6 também.

     - E em que ano estás tu? Perguntou o Pedro.

     - Estou no segundo ano, e tu?

     - Estou no primeiro ano. Respondeu o Pedro.

     - Tens algum irmão? Perguntou a Mariana.

     - Não!

     - Eu tenho um irmão com 3 anos, chama se Rodrigo.

     - Bom já acabaram as perguntas? Perguntou a Mariana.

     - sim.

     - Ainda bem, então vamos começar.

     Enquanto eles faziam o trabalho não deram por uma discussão que houve no recreio. Depois de ter tocado para entrar para as aulas eles já tinham acabado o trabalho. E quando iam para as salas que é se aperceberam que um menino estava a deitar sangue.

     - Oh, não é o André o que é que lhe aconteceu para ficar neste estado? Disse o Pedro.

     - Não sei, parece que andou à bulha com outro miúdo. Respondeu a Mariana.

     - No dia seguinte o André já estava melhor e o Pedro teve uma boa nota no trabalho das Palavras Pintadas. Teve um muito bom que sorte!

     A Mariana passou de ano, mas o Pedro também passou. Então fizeram uma festa de passagem de ano, e foi nesse dia que aconteceu uma coisa muito engraçada mas isso vocês já vão saber.
     - Olá Mariana, já soube que passaste de ano.

     - Sim, não é fantástico, e tu também passaste que o André contou-me.

     - Pois é, o primeiro ano é fácil. Disse o Pedro.

     - Pois mas olha que a segundo ano já é um bocado difícil.

     - Eu sei.

     -Olha vamos fazer troca de presentes aqui na escola, eu tenho um presente para ti.
     - Eu também tenho um para ti, vai ser muito divertido. Disse a Mariana.

     -Olha depois da troca de presentes, eu quero te dizer uma coisa, está bem?

     - Está bem mas porque é que tu não me contas agora?

     - Mas eu quero que seja assim.

     -Está bem, olha eu também tenho uma coisa para te dizer.

     Enquanto eles faziam a troca de presentes, entretanto o Pedro já tinham aberto o seu presente, só que a Mariana ainda não tinha aberto a sua prenda, então eles foram lá para fora e o Pedro disse:

      - Isto é para ti, Mariana.

     - O que é?

     - Já vês, se a abrires.

     Quando a Mariana tirava o papel de embrulho e abria a caixa estava uma linda pulseira com borboletas.

     - É linda! Disse a Mariana. Mas deve ter sido caríssima!

     - Nem por isso.

     - Então o que é que querias me dizer. Disse a Mariana enquanto colocava a pulseira no pulso.

     - Bem... é que... é que eu... eu gosto de ti. Disse o Pedro gaguejando.

     - Bem - é que eu também gosto de ti. Disse a Mariana envergonhada.

     - A sério? Estás mesmo a falar a sério?

     - Sim, estou.

     Depois de terem falado um com o outro, no dia seguinte já estavam nas férias de Verão. E como vêem agora eles são felizes porque admitiram que gostavam um do outro, e com Isto tudo a Mariana, foi viver para o mesmo bairro que O  Pedro, e a Mariana ficou a conhecer outros amigos do Pedro sem ser o André  também conheceu o João, e a Sara.

     - Mariana, também vens viver para aqui?

     - Sim, é que o meu irmão agora como já tem 4 anos ele agora quer um quarto só para ele, e eu também quero privacidade.

     - Ainda bem! Disse o Pedro com ar de espantadíssimo. — É que eu tenho muita gente para te apresentar.

     Primeiro foram à casa do André.

     - Quem é que mora aqui, Pedro?

     -É o André! Disse o Pedro.

     -Mas eu já conheço o André.

     -Está bem mas vamos contar lhe a novidade. Disse o Pedro com um ar muito contente.

     Tocaram à campainha, e abriu o André a porta. O André assim que viu a Mariana ficou de boca aberta e perguntou:

     - O que é que a Mariana está aqui a fazer?

     - Veio para aqui viver, não é fantástico?

     - Que fixe! - Já avisaste a Sara e o João? Perguntou o André.

     - Não mas vamos agora. E assim foi, despediram se do André e foram para casa da Sara.

     Tocaram outra vez à campainha e abriu a Sara.

     - Olá Sara!

     - Quem é essa menina? Perguntou a Sara.

     - E a Mariana e vai começar a viver aqui também.

     - Ela é tua colega ou algo assim?

     - Sim é minha colega e namorada.

     - Sê bem vinda, amigos dos meus amigos também são meus amigos. Bom deixa-me apresentar. Eu sou a Sara tenho 9 anos não ando na mesma escola que tu e o Pedro.

     - Sabes Mariana, ela é a mais velha do nosso bairro.

     - Pois isso eu já vi.

    - Adeus!- Disseram.

     Então foram à ultima casa que era a do João.

     - Olá João vim  apresentar-te uma menina.

     - Quem é?

     - É a Mariana?

     - Olá prazer em conhecer-te! Disse o João ainda mastigando o pão. - Eu sou o João e tenho 7

anos.

     - Prazer em conhecer-te também. Disse a Mariana com um sorriso.

     - Olha temos que ir andando temos que ajudar a mãe da Mariana é que nós prometemos ir  ajudá-la.

      - Então adeus. Disse a Mariana. E foram se embora a correr.

     À noite já estava tudo arrumado na casa da Mariana cada um foi para sua casa e despediram-se

todos. Passando um ano a Sara teve uma ideia e decidiu telefonar ao André, ao Pedro e ao João.

     Em casa do Pedro toca o telefone e ele atende.

     - Estou, é da casa dos Silva.

     - Estou, sou eu Pedro a Sara.

     - O que queres?! Disse o Pedro com um ar de admirado.

     -Olha já passou um ano e hoje faz o dia em que a Mariana veio para cá viver.

     - Estás, a falar a sério, que dia é hoje?

     - 13 de Julho.

     - Oh, não temos que fazer qualquer coisa, mas o quê? Perguntou o Pedro com ar de preocupado.

     - Não te preocupes eu o André e o João já pensámos em tudo.

     - Então qual é a vossa ideia?

     - Estávamos a pensar em fazer uma festa. O que é que achas?

     - É uma boa ideia! Disse o Pedro todo contente. — E quando vamos começar a fazer os preparativos para essa tal festa?

     - A seguir ao pequeno-almoço, a que horas é que queres que eu passe por aí?

     - Pode ser às 11 da manhã. Está bem até logo.

     - Adeus! Disse o Pedro, e desligou o telefone.

     Depois de ter tomado o pequeno-almoço, tocaram à campainha era a Sara, e o Pedro disse:

     - Adeus mãe, venho à hora do almoço.

     -Então onde estás a pensar fazer a festa? Disse o Pedro com um ar pensativo.

     - Que tal na casa da árvore?

     - Boa ideia!

     - O João e o André já estão lá à nossa espera.

     -Possa vocês já têm tudo preparado? Disse o Pedro com um ar de espantado.

     Quando chegaram à casa da árvore estava em cima de uma mesa pequenina um cartaz a dizer    ” Bem vinda mais um ano aqui no nosso bairro” só que não estavam pintadas estavam em branco e Pedro disse:

    Não me digam que vão meter esse cartaz na parede em branco!

     - Ainda não sabemos é que os meus guaches estão vazios o André não tem e a Sara tem os dela todos secos.

     - Vocês não pensam! Quer dizer que foste perguntar à Sara se ela tinha e ao André? Mas não me perguntaste a mim, eu assim já tinha trazido os guaches.

     - Será que ainda dá tempo de tu ires lá busca-los? Perguntou o André preocupado.

     - Sim. Disse a Sara confiante.

     - Que horas são? Perguntou o João.

     - Ainda é cedo. Vai andando.

     Passados 15 minutos o Pedro já tinha chegado exausto e com os guaches na mão e disse:

     - E como estás a pensar em fazer isto? Disse a Sara.

     - É que quando fiz um trabalho e a Mariana ajudou-me e chamava se “As Palavras Pintadas” e ficou muito giro porque eu depois pintei o titulo com várias cores e depois tracejei a preto e parecia que estavam a saltar do papel.

     Então o Pedro encheu um copinho com água limpa e arregaçou as mangas e começou a pintar as letras com muito cuidado para não sair para fora, depois de ter pintado as letras contornou a preto para parecerem que estavam a sair para fora.

     Quando acabou meteu a secar numas das janelas da casa da árvore a secar, passado meia hora a tinta já estava seca e depois meteram na parede em frente da porta para se ver bem.

     - Prontos parece que está tudo pronto a única coisa que falta é o bolo e os doces. Disse o João.

     - Sim mas isso é o dever do André e da Sara. Disse o Pedro.

     - Oh, não estou atrasado para o almoço. Disse a Sara assustada.

     - Que horas são? Perguntou o Pedro.

     - Faltam 15 minutos para a uma.

     Então foram todos acorrer fechando a porta com pressa e cada um foi para sua casa. Depois de terem todos comido foram todos muito apresados para a casa da árvore.

     - Bom, o bolo e os doces já estão aqui. Disse o Pedro entusiasmado.

     - Agora só falta ir buscar a Mariana a casa que vais ser tu Pedro, como ela é a tua namorada. Disse a Sara.

     Pois e o que é que vamos dizer a ela para ela vir até aqui sem suspeitar de nada? Disse o André preocupado.

     - Não se preocupem. Disse o Pedro. — Eu tenho um plano.

     E foi-se embora. Quando chegou a casa da Mariana tocou à campainha e abriu a Mariana.

     - Olá, Pedro o que estás aqui a fazer?

     - Bom é que eu queria-te mostrar uma coisa na casa da árvore.

     - Está vamos lá mas não me posso demorar muito é que tenho que ajudar a minha mãe a arrumar a casa.

     - Não te preocupes nós só vamos ficar um bocado na casa da árvore. Disse o Pedro com pressa.  Então foram a correr para não chegarem muito tarde à festa quando lá chegaram cansados e a suar, os que estavam à espera gritaram:

     - Surpresa!

     A Mariana ficou um bocado baralhada porque não sabia porque é que estavam a fazer lhe aquela festa então ela disse.

     - Mas eu não faço anos hoje!

     - Já te esquecestes que já faz um ano que moras neste bairro? Disse o André zangado.

     - Foi então que a Mariana se apercebeu do cartaz que estava colado na parede a dizer” Bem vinda mais um ano aqui no nosso bairro” e ficou um bocado envergonhada e disse:

     - Obrigado a todos por esta linda festa.

     - Mas tu ainda não começaste a festa e já nos estás a agradecer. Disse a Sara surpreendida.

     - Bom vamos começar a festa.

     E a assim foi, jogaram ao jogo da apanhada das escondidas e depois foram todos lanchar. Havia muitas guloseimas e bolos. Havia um bolo de chocolate, arroz doce, bolo de amêndoa, rebuçados, chocolates, frutos, gelatina, mouse de chocolate e para terminar o bolo especial com velas e dizia no

bolo “espero que gostes de passar este ano como gostaste do outro”.

     No fim da tarde tudo estava cansado e estafado então despediram se todos e foram para casa, mas nem todos houve dois que ainda quiseram namorar mais um pouco e tiveram em cima da árvore onde estava a casa e viram o pôr do sol e a Mariana disse:

     - Obrigada por esta festa inesquecível.

     - Não tens de quê? Disse o Pedro.

     - Espero que para o ano aja outra festa tão bonita como esta. Disse a Mariana.

     - Olha tenho uma prenda para ti.

     - Oh, não era preciso incomodares-te.

     - Não faz mal eu gosto de dar presentes.

     Então a menina começou a desembrulhar o papel às cores, estava dentro da caixa um fio a condizer com a pulseira, que também tinha borboletas desenhadas. A Mariana ficou toda contente com o fio e disse:- Obrigada.

     - De nada, espero que tenhas gostado.

     - É claro, se não não tinha gostado da pulseira que me deste na troca de presentes.

     Então depois de terem passado mais um bocado juntos, foram para casa de mãos dadas e disseram:

     - Então ate amanhã Mariana.

     - Até manhã disse o Pedro.

     Então antes de acabar os nossos amigos ainda se divertiram muito foram ao Oceanário e o aconteceu uma coisa muito gira ao nosso amigo João. No espectáculo dos golfinho um deles saltou

e o João levou um banho. Também foram ao Jardim Zoológico e divertiram-se muito também. A Sara

quando foi comprar um gelado deixou o cair no chão e é claro que abou por não comer gelado nenhum. Fizeram uma grande aventura porque no meio disto tudo repetiram-se muitas vezes “As Palavras Pintadas” e também foram-se conhecendo mais coisas entre os nossos amigos e agora vamos acabar esta história que espero que tenham gostado.

 

Publicado por ML às 18:59
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Imagem criada a partir de uma pintura de Kandinsky.

.pesquisar

 

.Lista de participantes

Eduardo Cunha – 5ºA

Maria Frade – 5ºA

Cláudia Teixeira – 5º A

Eduardo Félix – 5º C

Caroline Buchacher – 5º D

Ana Ferreira – 5º H

Daniel Lourenço – 5º H

Duarte Godinho – 6º G

Beatriz Natário – 6º G

Inês Pipa – 6º I

Ana Bonito – 6º I

Joana Oliveira – 6º I

Bárbara Casteleiro – 6º I

Ana Raquel Santos – 6º I

Bianca Lobato – 7º D

Micael Dias Ribeiro – 8º E

Monique Morais – 8º F

Sofia Lemos – 9º C

João Lourenço – 9º H

Nádia Filipa Cabral – 10º C

Ana Raquel Machado – 10º D

.Posts recentes

. Sofia Lemos - 9ºC

. João Lourenço - 9ºH

. Maria Frade - 5ºA

. Ana Raquel Machado- 10ºD

. Nádia Filipa Cabral - 10º...

. Monique Morais -8ºF

. Micael Ribeiro -8ºE

. Bianca dos Reis Lobato -7...

. Ana Raquel Santos -6°l

. Bárbara Casteleiro -6ºI

.Arquivos

. Abril 2006

.Links

.Os Vencedores :

Os textos vencedores serão brevemente publicados aqui! Enquanto isso, não deixem de comentar o vosso conto preferido! Boas Leituras...